in ,

Nutrição Enteral e Parenteral: Conheça as diferenças entre nutrição Enteral e Parenteral

Diferenças entre nutrição Enteral e Parenteral

Quando os pacientes têm problemas com a alimentação ou digestão, às vezes é necessário introduzir alimentos artificiais na dieta para fornecer nutrição. Esses alimentos são especialmente formulados para fornecer o equilíbrio certo de gorduras, proteínas, açúcares, vitaminas e minerais. Na nutrição enteral, essas preparações artificiais são ser entregues no intestino para serem absorvidas da maneira normal. A nutrição parenteral é uma alternativa na qual os alimentos são liberados na corrente sanguínea através de um gotejamento para contornar o intestino.

 

Nutrição Enteral

 

Se o intestino estiver em pleno funcionamento e for capaz de absorver alimentos e nutrientes normalmente, a nutrição enteral é a melhor maneira para fornecer suporte nutricional. Em alguns pacientes, pode ser que esses preparos alimentícios sejam entregues no intestino através de um tubo, ao invés da via oral usual.

 

Nutrição enteral por via oral

 

Essa forma de suporte nutricional é usada nos pacientes que não conseguem comer o suficiente, seja porque têm pouco apetite, dificuldade em comer ou porque seu corpo tem necessidades calóricas adicionais devido a alguma doença. Os produtos nutricionais podem ser então ingeridos para complementar qualquer alimento ou bebida que os pacientes consigam ingerir normalmente. Esses preparos fornecem mais energia do que alimentos normais, para facilitar a vida dos pacientes que não consegue ingerir grandes volumes.

 

Nutrição enteral através de tubo

 

Quando o paciente está incapaz de ingerir alimentos pela boca, mas seu intestino está funcionando normalmente, é possível recorrer à nutrição enteral por tubo. São algumas das razões que levam ao uso desse tipo de nutrição:

 

  • Derrames ou outras condições neurológicas que impedem a alimentação normal
  • Após alguns tipos de operações no rosto, pescoço, garganta ou estômago
  • Obstruções do esófago ou estômago
  • Após radioterapia na garganta

 

Os tubos de alimentação são geralmente colocados através da narina para passar pelo esófago e chegar no estômago ou intestino delgado, para então o alimento líquido ser bombeado lentamente pelo tubo. Se houver motivos para acreditar que o paciente não se recupere rapidamente e não possa voltar a alimentar-se normalmente tão cedo, um tubo de alimentação pode ser colocado através da parede abdominal e diretamente no estômago (gastrostomia).

 

Nutrição Parenteral

 

Caso o intestino do paciente não consiga absorver nutrientes, o alimento deve ser entregue diretamente na corrente sanguínea, contornando o intestino. Algumas das circunstâncias que levam a esse tipo de nutrição são:

 

  • Obstrução ou falha do intestino
  • Perfurações no intestino, quando a alimentação resultará em agravamento de infecções
  • Quando uma grande parte do intestino foi removida e o paciente não pode absorver comida suficiente
  • Quando partes do intestino estão doentes e não conseguem absorver adequadamente

 

A nutrição parenteral é bombeada lentamente na corrente sanguínea através de um gotejamento. Como pode ser muito irritante para os vasos sanguíneos, normalmente é administrada em uma veia grande perto do coração, através de uma linha venosa central colocada no braço, tórax ou pescoço. Às vezes, o uso de nutrição parenteral pode resultar em problemas sérios, como infecções no sangue ou um desequilíbrio na química corporal. Por isso, é importante haver monitoramento constante desses pacientes. Se o problema com a função intestinal for permanente ou persistir por muito tempo, alguns pacientes podem ser ensinados a gerenciar sua própria nutrição parenteral em casa.

 

A escolha entre uma dieta enteral e parenteral

 

No geral, é preferível submeter o paciente a uma dieta enteral, pois ela é mais próxima do processo normal de alimentação, é mais simples, mais barata e menos problemática. Entretanto, mesmo a nutrição enteral requer alguns cuidados, e os tipos mais complexos, como gastrostomia e jejunostomia, precisam de intervenções relevantes. Por isso é importante que as instituições aplicando esses procedimentos sigam os protocolos adequados rigorosamente.

 

Muitas vezes a escolha entre uma dieta enteral e parenteral é difícil, e nem sempre fácil de identificar. Isso porque um paciente pode ter necessidades diferentes em estágios diferentes de uma doença, usando mais de um tipo de alimentação artificial no tamanho. Em alguns momentos, pode precisar de nutrição enteral e em outros, parenteral. É preciso estar sempre acompanhado por uma equipe de suporte nutricional.

 

Artigos relacionados:

Written by hello

Nutrição Parenteral (Dieta Parenteral) O que é, Como é feita e riscos

Dieta da água: O que é, Benefícios e Como Functiona