in ,

Omega 3: beneficios, para que serve, e alimentos ricos em omega 3

Ômega 3 para que serve, como tomar, benefícios aqui

17 benefícios científicos dos ácidos graxos ômega-3

 

Os ácidos graxos ômega-3 são incrivelmente importantes.

Eles têm muitos poderosos benefícios de saúde para o seu corpo e cérebro.

De fato, poucos nutrientes foram estudados tão minuciosamente quanto os ácidos graxos ômega-3.

Vamos conferir agora 17 benefícios apontados por cientistas que o Ômega-3 pode trazer para a sua saúde.

 

1. Ômega-3 pode combater a depressão e a ansiedade

 

A depressão é um dos transtornos mentais mais comuns no mundo.

Seus sintomas incluem tristeza, letargia e uma perda geral de interesse na vida.

 

A ansiedade, também um distúrbio comum, é caracterizada pela constante preocupação e pelo nervosismo.

 

Curiosamente, os estudos indicam que as pessoas que consomem ômega-3 regularmente têm menos probabilidade de ficar deprimidas.

 

Além disso, quando as pessoas com depressão ou ansiedade começam a tomar suplementos de ômega-3, seus sintomas diminuem.

 

Existem três tipos de ácidos graxos ômega-3: ALA, EPA e DHA. Dos três, a EPA parece ser a mais eficiente no combate à depressão.

 

Um estudo até descobriu que o EPA é tão eficaz contra a depressão quanto um medicamento antidepressivo comum.

 

Resumo:

Os suplementos de ômega-3 podem ajudar a prevenir e tratar a depressão e a ansiedade. A EPA parece ser a mais eficaz no combate à depressão.

 

3. Omega-3 pode melhorar a saúde ocular

 

O DHA, um tipo de ômega-3, é um componente estrutural importante da retina do olho.

Alguns problemas de visão podem surgir quando você não recebe DHA suficiente.

 

Curiosamente, a ingestão suficiente de ômega-3 está ligada a um risco reduzido de degeneração macular, uma das principais causas mundiais de danos permanentes nos olhos e cegueira.

 

Resumo:

Um ácido graxo ômega-3 chamado DHA é um componente estrutural importante das retinas dos olhos. Pode ajudar a prevenir a degeneração macular, que pode causar deficiência visual e cegueira.

 

3. Ômega-3 pode promover a saúde do cérebro durante a gravidez e o início da vida

 

Os ácidos graxos ômega-3 são cruciais para o crescimento e desenvolvimento do cérebro em bebês.

 

O DHA é responsável por 40% dos ácidos graxos poli-insaturados no cérebro e 60% na retina do olho.

 

Portanto, não é surpresa que bebês alimentados com uma fórmula fortificada com DHA tenham uma visão melhor do que bebês alimentados com uma fórmula sem ela.

 

A ingestão suficiente de ômega-3 durante a gravidez está associada a vários benefícios para o seu filho, incluindo:

  • Maior inteligência
  • Melhor comunicação e habilidades sociais
  • Menos problemas comportamentais
  • Diminuição do risco de atraso no desenvolvimento
  • Diminuição do risco de TDAH, autismo e paralisia cerebral

 

Resumo:

Obter ômega-3 suficientes durante a gravidez e o início da vida é crucial para o desenvolvimento do seu filho. A suplementação está ligada a maior inteligência e menor risco de várias doenças.

 

4. Ômega-3 pode melhorar os fatores de risco para doenças cardíacas

 

Ataques cardíacos e derrames são as principais causas de morte no mundo.

Décadas atrás, os pesquisadores observaram que as comunidades de peixes tinham taxas muito baixas dessas doenças. Mais tarde, isso foi associado ao consumo de ômega-3.

 

Desde então, os ácidos graxos ômega-3 têm sido associados a inúmeros benefícios para a saúde do coração.

 

Esses benefícios incluem:

  • Triglicerídeos: Os ácidos graxos ômega-3 podem causar uma grande redução nos triglicerídeos, geralmente na faixa de 15 a 30%.
  • Pressão arterial: P ômega-3 pode reduzir os níveis de pressão arterial em pessoas com pressão alta.
  • Colesterol HDL “bom”: Omega-3 pode aumentar os níveis de colesterol “bom” ou HDL.
  • Coágulos sanguíneos: O ômega-3 pode impedir que as plaquetas se acumulem. Isso ajuda a impedir a formação de coágulos sanguíneos prejudiciais.
  • Placa: ao manter suas artérias lisas e livres de danos, o ômega-3 ajuda a evitar a placa que pode restringir e endurecer suas artérias.
  • Inflamações: Os ácidos graxos ômega-3 reduzem a produção de algumas substâncias que são liberadas durante a resposta inflamatória do seu corpo.

 

Para algumas pessoas, o ômega-3 também pode diminuir o colesterol LDL “ruim”. No entanto, as evidências são variadas – alguns estudos descobriram aumentos no LDL.

 

Apesar desses efeitos benéficos nos fatores de risco para doenças cardíacas, não há evidências convincentes de que os suplementos de ômega-3 possam prevenir ataques cardíacos ou derrames. Muitos estudos não encontram benefício algum.

 

Resumo:

O ômega-3 melhora vários fatores de risco para doenças cardíacas. No entanto, os suplementos de ômega-3 não parecem reduzir o risco de ataques cardíacos ou derrames.

 

5. Omega-3 pode reduzir os sintomas do TDAH em crianças

 

O Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é um distúrbio comportamental caracterizado por desatenção, hiperatividade e impulsividade.

 

Vários estudos observam que crianças com TDAH apresentam níveis mais baixos de ácidos graxos ômega-3 no sangue do que as que não possuem o transtorno.

 

Além disso, vários estudos observam que os suplementos de ômega-3 podem reduzir os sintomas do TDAH.

 

Os ácidos graxos ômega-3 ajudam a melhorar a desatenção e a conclusão de tarefas. Eles também diminuem a hiperatividade, impulsividade, inquietação e agressão.

 

Recentemente, os pesquisadores observaram que os suplementos de óleo de peixe eram um dos tratamentos mais promissores para o TDAH.

 

Resumo:

Os suplementos de ômega-3 podem reduzir os sintomas do TDAH em crianças. Eles melhoram a atenção e reduzem a hiperatividade, impulsividade e agressão.

 

6. Omega-3 pode reduzir os sintomas da síndrome metabólica

 

A síndrome metabólica é um conjunto de condições.

Ele inclui obesidade central – também conhecida como gordura da barriga -, além de pressão alta, resistência à insulina, triglicerídeos altos e baixos níveis de colesterol HDL, considerado colesterol “bom”.

 

Trata-se de uma grande preocupação de saúde pública, pois aumenta o risco de muitas outras doenças, incluindo doenças cardíacas e diabetes.

 

Os ácidos graxos ômega-3 podem melhorar a resistência à insulina e reduzir fatores de risco para inflamações e doenças cardíacas em pessoas com síndrome metabólica.

 

Resumo:

O ômega-3 pode ter inúmeros benefícios para pessoas com síndrome metabólica. Ele pode reduzir a resistência à insulina, combater inflamações e melhorar vários fatores de risco para doenças cardíacas.

 

7. Ômega-3 pode combater inflamações

 

A inflamação é uma resposta natural a infecções e danos ao seu corpo. Portanto, é vital para sua saúde.

 

No entanto, a inflamação às vezes persiste por um longo tempo, mesmo sem uma infecção ou lesão. Isso é chamado de inflamação crônica – ou de longo prazo -.

 

A inflamação de longo prazo pode contribuir para quase todas as doenças ocidentais crônicas, incluindo doenças cardíacas e câncer.

 

Notavelmente, os ácidos graxos ômega-3 podem reduzir a produção de moléculas e substâncias ligadas à inflamação, como eicosanoides inflamatórios e citocinas.

 

Os estudos observaram consistentemente uma conexão entre maior ingestão de ômega-3 e redução de inflamações.

 

Resumo:

O ômega-3 pode reduzir a inflamação crônica, que pode contribuir para doenças cardíacas, câncer e várias outras doenças.

 

8. Ômega-3 pode combater doenças autoimunes

 

Nas doenças autoimunes, seu sistema imunológico confunde células saudáveis ​​por células estranhas e começa a atacá-las.

 

O diabetes tipo 1 é um excelente exemplo, no qual seu sistema imunológico ataca as células produtoras de insulina no pâncreas.

 

Os ácidos graxos ômega-3 podem combater algumas dessas doenças e podem ser especialmente importantes no início da vida.

 

Estudos mostram que a ingestão de ômega-3 suficientes durante o primeiro ano de vida está ligada a um risco reduzido de muitas doenças autoimunes, incluindo diabetes tipo 1, diabetes autoimune e esclerose múltipla.

 

O ômega-3 também ajuda a tratar o lúpus, artrite reumatoide, colite ulcerosa, doença de Crohn e psoríase.

 

Resumo:

Os ácidos graxos ômega-3 podem ajudar a combater várias doenças autoimunes, incluindo diabetes tipo 1, artrite reumatoide, colite ulcerativa, doença de Crohn e psoríase.

 

9. Ômega-3 pode melhorar distúrbios mentais

 

Pessoas com distúrbios psiquiátricos apresentaram níveis baixos de ômega-3.

 

Estudos sugerem que os suplementos de ômega-3 podem reduzir a frequência de alterações de humor e recaídas em pessoas com esquizofrenia e transtorno bipolar.

 

A suplementação com ácidos graxos ômega-3 também pode diminuir o comportamento violento.

 

Resumo:

Pessoas com transtornos mentais geralmente apresentam baixos níveis sanguíneos de gorduras ômega-3. Melhorar os níveis de ômega-3 parece melhorar os sintomas.

 

10. Ômega-3 pode combater o declínio mental relacionado à idade e o Mal de Alzheimer

 

Um declínio na função cerebral é uma das consequências inevitáveis ​​do envelhecimento.

Vários estudos vinculam maior ingestão de ômega-3 à diminuição do declínio mental relacionado à idade e um risco reduzido de Mal de Alzheimer.

 

Uma revisão de estudos controlados sugere que os suplementos de ômega-3 podem ser benéficos no início da doença, quando os sintomas do Alzheimer são muito leves.

Lembre-se de que ainda são necessárias mais pesquisas sobre ômega-3 e a saúde do cérebro.

 

Resumo:

As gorduras ômega-3 podem ajudar a prevenir o declínio mental relacionado à idade e ao Alzheimer, mas são necessárias mais pesquisas.

 

11. Ômega-3 pode ajudar a prevenir câncer

 

O câncer é uma das principais causas de morte no mundo ocidental, e há muito se afirma que os ácidos graxos ômega-3 reduzem o risco de certos tipos de câncer.

 

Curiosamente, os estudos mostram que as pessoas que consomem mais ômega-3 têm um risco 55% menor de câncer de cólon.

 

Além disso, o consumo de ômega-3 está associado a um risco reduzido de câncer de próstata em homens e câncer de mama em mulheres. No entanto, nem todos os estudos apresentam os mesmos resultados.

 

Resumo:

A ingestão de ômega-3 pode diminuir o risco de alguns tipos de câncer, incluindo câncer de cólon, próstata e mama.

 

12. Ômega-3 pode reduzir asma em crianças

 

A asma é uma doença pulmonar crônica com sintomas como tosse, falta de ar e chiado no peito.

 

Os ataques graves de asma podem ser muito perigosos. Eles são causados ​​por inflamação e inchaço nas vias aéreas dos pulmões.

Além disso, as taxas de asma nos EUA, por exemplo, têm aumentado nas últimas décadas.

 

Vários estudos associam o consumo de ômega-3 a um menor risco de asma em crianças e adultos jovens.

 

Resumo:

A ingestão de ômega-3 tem sido associada a um menor risco de asma em crianças e adultos jovens.

 

13. Ômega-3 pode reduzir a gordura no fígado

 

Talvez você não saiba, mas a doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) é mais comum do que você pensa.

 

Aumentou com a epidemia da obesidade e se tornou a causa mais comum de doença hepática crônica no mundo ocidental.

 

No entanto, a suplementação com ácidos graxos ômega-3 reduz efetivamente a gordura e a inflamação do fígado em pessoas com DHGNA.

 

Resumo:

Os ácidos graxos ômega-3 reduzem a gordura do fígado em pessoas com doença hepática gordurosa não alcoólica.

 

14. Ômega-3 pode melhorar a saúde óssea e articular

 

Osteoporose e artrite são dois distúrbios comuns que afetam o sistema esquelético.

 

Estudos indicam que o ômega-3 pode melhorar a força óssea aumentando a quantidade de cálcio nos ossos, o que deve levar a um risco reduzido de osteoporose.

 

Ômega-3 também pode tratar a artrite. Pacientes que tomam suplementos de ômega-3 relataram dor nas articulações reduzida e aumento da força de contato.

 

Resumo:

O ômega-3 pode melhorar a força óssea e a saúde das articulações, reduzindo potencialmente o risco de osteoporose e artrite.

 

15. Omega-3 pode aliviar as dores menstruais

 

A dor menstrual ocorre na parte inferior do abdômen e na pelve e muitas vezes irradia para a parte inferior das costas e das coxas.

 

Isso pode afetar significativamente a qualidade de vida da mulher.

 

No entanto, estudos já provaram repetidamente que mulheres que consomem mais ômega-3 têm dores menstruais mais leves.

 

Um estudo chegou a determinar que um suplemento de ômega-3 era mais eficaz que o ibuprofeno no tratamento de dores severas durante a menstruação.

 

Resumo:

Os ácidos graxos ômega-3 podem reduzir a dor menstrual e podem até ser mais eficazes que o ibuprofeno, um medicamento anti-inflamatório.

 

16. Ácidos graxos ômega-3 podem melhorar seu sono

 

Bom sono é um dos fundamentos da saúde ideal.

Estudos associam a privação do sono a muitas doenças, incluindo obesidade, diabetes e depressão.

 

Baixos níveis de ácidos graxos ômega-3 estão associados a problemas de sono em crianças e apneia obstrutiva do sono em adultos.

 

Os baixos níveis de DHA também estão associados a níveis mais baixos do hormônio melatonina, que ajuda a adormecer e a atingir o sono profundo.

 

Estudos em crianças e adultos revelam que a suplementação com ômega-3 aumenta a duração e a qualidade do sono.

 

Resumo:

Os ácidos graxos ômega-3 – especialmente o DHA – podem melhorar a duração e a qualidade do seu sono.

 

17. As gorduras ômega-3 são boas para a pele

 

DHA é um componente estrutural da sua pele. É responsável pela saúde das membranas celulares, que compõem uma grande parte da sua pele.

Uma membrana celular saudável resulta em pele macia, hidratada, flexível e sem rugas.

 

A EPA também beneficia sua pele de várias maneiras, incluindo:

  • Gerenciando a produção de óleo e hidratação da sua pele.
  • Impedindo a hiperqueratinização dos folículos capilares que aparecem, como os pequenos inchaços vermelhos vistos frequentemente na parte superior do braço.
  • Reduzindo o envelhecimento prematuro da sua pele.
  • Reduzindo o risco de acne.

 

Os ômega-3 também podem proteger sua pele dos danos causados ​​pelo sol. A EPA ajuda a bloquear a liberação de substâncias que corroem o colágeno na pele após a exposição ao sol.

 

Resumo:

O ômega-3 pode ajudar a manter a pele saudável, prevenindo o envelhecimento precoce e protegendo-o contra os danos causados ​​pelo sol.

 

Alimentos ricos em omega 3: Quais são as melhores fontes de ômega-3?

 

Os ácidos graxos ômega-3 são um tipo de gordura saudável e essencial e oferecem muitos benefícios à saúde.

O peixe gorduroso é uma excelente fonte alimentar de ômega-3. As pessoas também podem atender à ingestão recomendada de ômega-3 comendo alimentos à base de plantas, incluindo vegetais, oleaginosas e sementes ricas em ômega-3.

Existem três tipos principais de ácidos graxos ômega-3, chamados ALA, DHA e EPA.

Fontes vegetais, como oleaginosas e sementes, são ricas em ALA, enquanto peixes e algas podem fornecer ácidos graxos DHA e EPA. Comer uma variedade de fontes de ômega-3 é bastante importante.

Neste artigo, listamos as melhores fontes de ácidos graxos ômega-3, incluindo suplementos de ômega-3.

 

Fontes de ômega-3 em peixes e frutos do mar

O peixe gorduroso e oleoso é uma excelente fonte de DHA e EPA, que são dois tipos principais de ácido graxo ômega-3.

Os seguintes tipos de peixe são algumas das melhores fontes desses ácidos graxos. Para cada peixe abaixo, o tamanho da porção é de 3 onças (oz), cerca de 90ml:

 

1. Cavalinha

Cavalinha é um peixe pequeno e gorduroso que na maioria das vezes é servido defumado, e é muito comum como café da manhã.

Uma porção de cavalinha contém:

  • 0,59 g de DHA
  • 0,43 g de EPA

Juntamente com o ômega-3, a cavalinha é rica em selênio e vitamina B-12.

 

2. Salmão

O salmão é um dos tipos de peixe mais populares e altamente nutritivos disponíveis. Existem várias diferenças entre o salmão selvagem e o de criação, incluindo algumas variações no conteúdo de ômega-3.

Uma porção de salmão de criação contém:

  • 1,24 g de DHA
  • 0,59 g de EPA

Uma porção de salmão selvagem contém:

  • 1,22 g de DHA
  • 0,35 g de EPA

O salmão também contém altos níveis de proteínas, magnésio, potássio, selênio e vitaminas do complexo B.

Saiba mais sobre as diferenças entre salmão selvagem e de criação aqui.

 

3. Robalo

O robalo é um peixe japonês bastante popular.

Uma porção de robalo contém:

  • 0,47 g de DHA
  • 0,18 g de EPA

O robalo também fornece proteína e selênio.

 

4. Ostras

Ostras são um dos frutos do mar favoritos, que os restaurantes tendem a servir como aperitivo ou lanche. Ao contrário de muitas outras fontes de frutos do mar, as ostras contêm as três principais classes de ômega-3.

Uma porção de ostras contém:

  • 0,14 g de ALA
  • 0,23 g de DHA
  • 0,30 g de EPA

As ostras também são ricas em zinco e vitamina B-12.

 

5. Sardinhas

A sardinha é um peixe pequeno e oleoso que as pessoas podem comprar em latas e comer como lanche ou aperitivo.

Uma porção de sardinha enlatada contém:

  • 0,74 g de DHA
  • 0,45 g de EPA

Sardinhas também são uma boa fonte de selênio e vitaminas B-12 e D.

 

6. Camarão

Pessoas de todo o mundo comem camarão como aperitivo e componente de muitas refeições.

Uma porção de camarão contém:

  • 0,12 g de DHA
  • 0,12 g de EPA

O camarão também é rico em proteínas e potássio.

7. Truta

A truta arco-íris está entre os tipos mais populares e saudáveis ​​de peixe.

Uma porção de truta contém:

  • 0,44 g de DHA
  • 0,40 g de EPA

Além de ómega-3, truta é uma boa fonte de proteína, de potássio, e vitamina D.

 

Fontes vegetarianas e veganas de ômega-3

8. Algas marinhas

Algas, nori, spirulina e chlorella são formas diferentes de algas que muitas pessoas comem por seus benefícios à saúde.

As algas marinhas são importantes fontes de ômega-3 para pessoas em dieta vegetariana ou vegana, pois são um dos poucos grupos de plantas que contêm DHA e EPA.

O conteúdo de DHA e EPA varia de acordo com o tipo de alga e o produto específico.

Existem muitas maneiras de incluir esses alimentos na dieta. Por exemplo:

  • Nori é a alga marinha que a maioria das pessoas usa para envolver sushi.
  • A alga é um lanche saboroso e crocante.
  • Chlorella e spirulina fazem uma adição saudável a smoothies ou aveia.

As algas também são ricas em proteínas e podem ter propriedades antidiabéticas, antioxidantes e anti-hipertensivas.

As pessoas podem encontrar chlorella e spirulina em lojas de alimentos naturais ou online. Compre aqui chlorella e spirulina.

 

9. Sementes de chia

As sementes de chia são uma excelente fonte de ácidos graxos ômega-3 à base de plantas. Eles também são ricos em fibras e proteínas.

As sementes de chia contêm 5,055 g de ALA por porção de 1 onça (30ml)

As pessoas podem usar essas sementes como ingrediente em granola, saladas ou smoothies, ou podem misturá-las com leite ou iogurte para fazer pudim de chia. Misturar sementes de chia com água também cria um substituto de ovo que os veganos podem usar.

Muitas lojas de alimentos naturais agora estocam sementes de chia e também é possível comprá-las online.

10. Sementes de cânhamo

As sementes de cânhamo contêm 2,605 g de ALA em cada 3 colheres de sopa.

Eles também são ricos em muitos nutrientes, incluindo:

  • proteína
  • magnésio
  • ferro
  • zinco

A pesquisa sugere que as sementes de cânhamo são boas para o coração, a digestão e a pele de uma pessoa.

As sementes de cânhamo são levemente doces e são um excelente complemento para granola, aveia, lanchonetes, saladas e smoothies.

Sementes de cânhamo estão disponíveis para compra online.

 

11. Linhaça

As sementes de linhaça contêm 6,703 g de ALA por colher de sopa.

A linhaça é uma das sementes mais saudáveis ​​que as pessoas podem comer. Eles são ricos em muitos nutrientes, incluindo:

  • fibra
  • proteína
  • magnésio
  • manganês

Essas sementes podem reduzir a pressão sanguínea e melhorar a saúde do coração.

Assim como as sementes de chia, as pessoas podem misturar sementes de linhaça com água para criar uma substituição vegana de ovos. Também é fácil incorporá-los à dieta, adicionando-os a aveia, cereais ou salada.

Linhaça estão disponíveis para compra online.

 

12. Nozes

As nozes contêm 3,346 g de ALA por xícara.

Essas nozes são uma grande fonte de gorduras saudáveis, incluindo os ácidos graxos ômega-3 ALA.

As pessoas podem desfrutar de nozes por conta própria, em granola ou em uma mistura de oleaginosas, barras de cereais, iogurte, salada ou prato cozido.

 

13. Edamame

Uma meia xícara de edamame congelado contém 0,28 g de ALA.

O feijão Edamame é uma soja não madura que é particularmente popular no Japão. Eles não são apenas ricos em ômega-3, mas também são uma ótima fonte de proteína à base de plantas.

O feijão edamame cozido ou cozido no vapor funciona bem em uma salada ou como acompanhamento.

 

14. Feijão

O feijão-roxo contém 0,10 g de ALA por meia xícara.

O feijão-roxo é um dos grãos mais comuns para incluir nas refeições ou comer como acompanhamento. As pessoas podem adicioná-los a pratos ensopados ou refogados, ou comê-los com arroz.

 

15. Óleo de soja

O óleo de soja contém 0,923 g de ALA por colher de sopa.

A soja é uma leguminosa popular da Ásia. Muitas pessoas usam óleo de soja para cozinhar.

O óleo de soja também é uma boa fonte de:

  • riboflavina
  • magnésio
  • potássio
  • folato
  • vitamina K

As pessoas geralmente servem soja como parte de uma refeição ou em uma salada. O óleo de soja funciona bem como óleo de cozinha e em molhos para salada.

 

Suplementos de ômega-3

As pessoas que não conseguem atender às suas necessidades dietéticas de ômega-3 e as que experimentam altos níveis de inflamação podem se beneficiar da ingestão de suplementos de ômega-3.

Existem vários tipos de suplementos de ômega-3 à sua escolha, incluindo:

  • Óleo de peixe: O óleo de peixe é o suplemento ômega-3 mais comum e oferece a dose mais alta disponível. Os suplementos de óleo de peixe incluem DHA e EPA.
  • Óleo de fígado de bacalhau: o óleo de fígado de bacalhau é rico não apenas em DHA e EPA ômega-3, mas também nas vitaminas A e D.
  • Óleo de Krill: O óleo de Krill é outro óleo de frutos do mar rico em DHA e EPA.
  • Óleo de algas: para pessoas que seguem uma dieta vegetariana ou vegana, os óleos de algas são uma excelente fonte de ômega-3. No entanto, eles contêm uma dose menor do que a maioria dos suplementos de óleo de peixe, portanto, as pessoas podem precisar tomar mais deles. Existem também menos marcas, e elas podem ser mais caras. Algumas marcas incluem apenas DHA, mas uma marca com DHA e EPA será mais benéfica.
  • Suplementos de ALA: Os suplementos de linhaça, sementes de chia e sementes de cânhamo contêm apenas o ômega-3 ALA à base de plantas, que não é suficiente por si só. As sementes também contêm ácidos graxos ômega-6, que podem ser inflamatórios. Isso significa que esses suplementos não contribuem para um equilíbrio saudável de ômega-3 e ômega-6 no organismo. Embora os suplementos de ALA não substituam o óleo de peixe ou de algas, eles podem ser um excelente complemento adicional a ser incluído na dieta.

A quantidade de ômega-3 em cada um desses suplementos depende do tipo de suplemento e da marca específica.

Certos suplementos à base de plantas, como algumas algas e suplementos de ALA, incluem gelatina e não são adequados para vegetarianos e veganos. Sempre leia o rótulo cuidadosamente.

 

 

Linha de apoio

Os ácidos graxos ômega-3 são vitais para uma vida mais saudável.

Obter alimentos integrais – como peixes gordurosos duas vezes por semana – é a melhor maneira de garantir uma boa e necessária ingestão de ômega-3.

 

No entanto, se você não comer muitos peixes gordurosos, considere tomar um suplemento de ômega-3. Para pessoas com deficiência de ômega-3, essa é uma maneira barata e altamente eficaz de melhorar a saúde.

 

Conclusão

Os ácidos graxos ômega-3 são um componente vital da dieta, pois podem minimizar a inflamação e manter o corpo saudável.

As pessoas devem ter em mente que o equilíbrio de ômega-3 e ômega-6 no corpo desempenha um papel na prevenção da inflamação. Além de aumentar a ingestão de ômega-3, as pessoas devem limitar o consumo de alimentos ricos em ômega-6.

Os alimentos que são tipicamente ricos em ácidos graxos ômega-6 incluem alimentos processados, tofu, oleaginosas, sementes e carne.

Uma variedade de fontes de peixes, vegetarianos e veganos pode ajudar as pessoas a aumentar sua ingestão de ômega-3, e suplementos de ômega-3 também estão disponíveis.

É essencial incluir todos os três principais tipos de ômega-3 na dieta e manter a relação ômega-3 e ômega-6 em equilíbrio. As pessoas que desejam evitar fontes de frutos do mar podem cumprir seus requisitos usando fontes vegetais e suplementos de algas.

Antes de fazer alterações na dieta ou usar suplementos, as pessoas devem conversar com um médico e um nutricionista registrado para garantir que atendam a todas as suas necessidades nutricionais e de saúde.

Written by hello

Ácidos Graxos Ômega 3 6 9: Uma visão completa

Whey Protein: para que serve, beneficios, tipos, preço e como tomar